Chuva cancela segunda perna da Maratona. Amanhã caravana entra no TO. Areia é a novidade.

Condições climáticas obrigam organização a cancelar 3ª. etapa. Dia foi de deslocamento e de preparar o equipamento para reta decisiva da prova. Cenário muda amanhã com entrada no Tocantins. Promessa é uma etapa traiçoeira. Rubinho se despede.

A caravana do Sertões 2020 amanheceu sob chuva e a notícia do cancelamento da 3ª etapa. A impossibilidade de voo das aeronaves da prova, comprometiam a segurança dos competidores. Em deslocamento, toda a caravana seguiu em comboio para a bolha 3, ainda no estado de GO, mas pertinho da divisa com o TO, onde nesta quarta-feira acontece a 4ª. Etapa do maior rally das Américas. O mais novo estado brasileiro não é a única novidade do dia. A areia aparece pela primeira vez nesta especial e traz mais um desafio para os competidores.

Segundo o diretor de prova, Du Sachs apesar do cancelamento de uma etapa que poderia provocar uma reviravolta na disputa, tem muito por vir ainda. E avisa: “amanhã teremos uma especial bem traiçoeira”. O trecho cronometrado começa ao estilo WRC – piso rápido e sem buracos -; avança para uma parte sinuosa e técnica e, depois dos 60km arenosos, traz estradões que proporcionarão altas velocidades, finalizando com piçarras. O que pode provocar mudanças na classificação, especialmente nos casos de motos e UTVs, em que as diferenças estão menores.

O Sertões começa a ganhar uma nova fisionomia com maior perspectiva de tempo bom e expectativa de especiais mais rápidas. Mais um desafio para Rubens Barrichello, em seu último dia na prova, com o Buggy Giaffone V8 da equipe RMattheis.

Ontem, depois de uma das mais desafiadoras etapas da história do Sertões, os competidores ganharam um relativo descanso nesta terça-feira. A terça-feira na Bolha 3 foi de trabalho para os mecânicos – na maioria dos casos, menor do que se a Maratona tivesse sido disputada integralmente, mas ainda assim intenso. A ordem, além de tirar a lama acumulada da segunda-feira, foi checar e substituir componentes para que o equipamento dos competidores esteja à altura do que o Sertões reserva até sábado (7), quando chega em Barreirinhas (MA).

Descrição da 4ª etapa – 4/11 Quarta-feira.

DI 26 km: TE 329 km; DF 295 km = Total 650 km

Mantendo o nível da prova, um deslocamento pequeno de 26 km e um início de especial de velocidade. São 33 km no estilo WRC, curvas de alta e média velocidade. Na sequência entram trechos mais travados, muitos mata-burros, pontes, trechos sinuosos, algumas pedras, para então adentrar no trecho de areias. São cerca de 60 km de areia, bem prazeroso, mas com muita navegação, exigindo bastante do conjunto (piloto/navegador). Com um terço de prova, volta a ficar rápida. Um provável ponto abastecimento. Pequeno trecho de radar para travessia de uma cidade. A última parte é bem travada, com alguns trechos de trial, bem característico de cerrado e sertão. E muita beleza natural. Os 60 km finais são em um estradão de altíssima velocidade com curvas fantásticas, mas bem exigente com os competidores. Um verdadeiro teste de raça e coragem, finalizando com uma pequena mudança de piso, com piçarras, mas sem buracos ou erosões. Deslocamento final de 295 km, num total de 650 km no dia.

O que eles disseram

Ricardo Martins (líder das Motos)

“Foi uma pena o cancelamento da especial, eu me senti muito bem na moto ontem (segunda) e atacaria na segunda parte da Maratona para tentar ampliar a vantagem. Mas não depende da gente, são coisas do rally. Agora vamos para o Tocantins, e a prova começa a ficar diferente nas características. Serei mais uma vez o primeiro a largar e quero mais uma vez adotar um ritmo forte. Estou encarando a prova um dia de cada vez, para fazer as contas ao fim de cada etapa, sem pensar muito no que estão fazendo os adversários”.

Rodrigo Varela (líder dos UTVs)

“A expectativa para hoje era muito boa, nos programamos para vir forte e o carro completou a primeira parte da Maratona intacto. Conseguimos vencê-la mesmo com mais peso, já que optamos por carregar algumas peças extras para o caso de necessidade. Tudo indica que vamos entrar agora num Sertões mais parecido com o habitual: piso mais seco, areia, algo a que estamos bastante acostumados”.

Marcos Baumgart (Carros)

“Faz parte do rally (o cancelamento), o jogo é igual para todo mundo. Lógico que a gente sempre quer correr, mas há outros fatores envolvidos além da corrida, e a segurança tem que ser respeitada. É verdade que tínhamos um carro bom para a segunda parte da Maratona e tentaríamos reduzir a diferença para o Cristian, mas agora é olhar para a frente. Começa uma nova fase, com a areia, que é um piso que eu gosto e costumo me sair muito bem”.

Cristian Baumgart (líder dos Carros)

“Acredito que amanhã começaremos a aproveitar melhor o equipamento. A Hilux foi pensada para o Dakar, não para terrenos mais travados como os das primeiras etapas. Tem tudo para ser um dia bastante prazeroso. Ainda temos quatro dias de Sertões pela frente, é preciso ter foco do início ao fim. Os vencedores só serão conhecidos em Barreirinhas”.

Guiga Spinelli (Carros)

“A diferença que nos separa dos primeiros é grande, mas vamos manter nosso plano de andar forte, o rally ainda é longo e entra em um momento diferente. Com o que observamos dos dois primeiros dias conseguimos evoluir o acerto do carro para brigar pelas primeiras posições”.

Rubens Barrichello (Carros)

“Voltei à minha infância com a gente dormindo no acampamento na etapa Maratona, dormi uma noite maravilhosamente bem, o ambiente é incrível.”

Edgar Fabre (Diretor de prova)

“A prova foi cancelada porque não havia teto, principalmente para o helicóptero poder atravessar uma serra muito alta. Assim, não se consegue dar apoio aos competidores. Com isso, a Maratona terminou após a primeira perna”.

 

4a etapa – 4/11 Quarta-feira.

DI 26 km – TE 329 km – DF 295 km – Total 650 km

Mantendo o nível da prova, um deslocamento pequeno de 26 km e um início de especial de velocidade. São 33 km no estilo WRC, curvas de alta e média velocidade. Na sequência entram trechos mais travados, muitos mata-burros, pontes, trechos sinuosos, algumas pedras, para então adentrar no trecho de areias. São cerca de 60 km de areia, bem prazeroso, mas com muita navegação, exigindo bastante do conjunto (piloto/navegador). Com um terço de prova, volta a ficar rápida. Um provável ponto de abastecimento. Pequeno trecho de radar para travessia de uma cidade. A última parte é bem travada, com alguns trechos de trial, bem característico de cerrado e sertão. E muita beleza natural. Os 60 km finais são em um estradão de altíssima velocidade com curvas fantásticas, mas bem exigente com os competidores. Um verdadeiro teste de raça e coragem, finalizando com uma pequena mudança de piso, com piçarras, mas sem buracos ou erosões. Deslocamento final de 295 km, num total de 650 km no dia.

O SERTÕES

Um ano diferente pede um Sertões diferente. O maior rally das Américas se transforma no “Rally da Solidariedade”. A 28ª edição da prova traz adaptações relevantes nas suas três dimensões: Esporte, Social e Turismo. A missão este ano é levar acesso à medicina de qualidade e fomento econômico para as comunidades remotas e carentes do Brasil. Este ano a ação social do Sertões está focada em dois pilares: 1. Saúde: a instalação de unidades de teleatendimento médico gratuito de qualidade, projeto inovador desenvolvido pelo SAS Brasil;  2. Legado econômico: Ação coordenada com o SEBRAE em apoio à campanha ‘COMPRE DO PEQUENO’. Aquisição de cestas básicas de pequenos produtores locais que serão distribuídas nas regiões aos que estão sem trabalho e renda, além de todo abastecimento das Bolhas Sertões. O lado competitivo da prova foi adaptado e traz um protocolo de segurança especial com 10 medidas. A caravana ficará isolada em bolhas durante o percurso, em acampamentos fechados. Já a dimensão Turismo, que revela lugares que pouca gente conhece, foi postergada para 2021.

O ROTEIRO SERTÕES 2020

O Sertões 2020 saiu da Fazenda Velocitta, em Mogi Guaçu (SP) dia 30/10 e chega em Barreirinhas (MA) dia 07/11. Vai cruzar cinco Estados e o Distrito Federal – SP, MG, DF, GO, TO e MA. Este ano, excepcionalmente, não haverá chegada às cidades anfitriãs. Toda a caravana se fechará em bolhas – locais isolados, afastados de adensamento.  Esses locais serão mantidos sob sigilo, a fim de evitar aglomeração. Os locais exatos das bolhas só serão revelados aos competidores na véspera. Todos seguirão por uma rota pré-estabelecida e monitorada.

 

Siga-nos em nossas redes sociais e saiba tudo sobre o SERTÕES:

Site: www.sertoes.com

Instagram: @sertoes

Facebook: https://www.facebook.com/sertoesoficial

Youtube.com/sertoesoficial

 

Comunicação – Sertões

Meg Cotrim: + 55 11 99182 8180

Alexandre Salvador: + 55 11 99625 1054

Silvana Grezzana: +55  99972 6966

Rodrigo Gini: + 55 31 99616 4179

 

Leave A Comment

ASSISTA AO MANIFESTO SERTÕES 2020

CONFIRA O VÍDEO DO SERTÕES NA MÍDIA NO LANÇAMENTO DO ROTEIRO 2020